segunda-feira, 3 de outubro de 2011

It's been a while!

Mesmo hoje sendo segunda-feira, o ônibus passou por mim 2 vezes e me ignorou, peguei um outro ônibus que me deixou no lugar errado e eu tive que andar horrores até o trabalho e minha irmã que perdeu uma viagem pra Aruba com tudo pago e direito a acompanhante no sorteio de uma festa porque ela ficou em casa dormindo, desejo bom dia pra vocês.

Pois é, faz tempo (de novo) que não escrevo por aqui.

Tenho passado por uma fases estranhas esses tempos, quando eu cheguei da Holanda eu estava pura empolgação, eu acho SÓ acho que ela passou. Nunca acreditei na tal "depressão pós intercâmbio", mas ela EXISTE! Só de escrever isso, me deu um aperto no coração porque é um sentimento muito escroto. Acho que vou listar aqui os sintomas. Eu listei, mas ficou tão ruim, escrevi tanta coisa ruim de Manaus que achei melhor apagar hahahah. Vamos falar de outra coisa..
Então, eu trabalho em um Instituto de Tecnologia = só tem nerd. Essa coisa de viver com nerd é tão complicado pra mim, que uma vez eu pedi pra alguém aqui do meu setor me explicar o que eles faziam de fato e depois de 5 minutos eu entrei em modo automático e só acenava e sorria, porque na verdade eu não estava entendendo nada. Eu tenho tanto medo da inteligência deles, que tenho certeza que a galera da TI já sabe que eu tô aqui no meu blog, vão ler tudo que eu escrevo. Sinto que eles rastreiam a minha vida, meus pensamentos. Só tem homem aqui, quer dizer, tem uns seres humanos do sexo masculino. Porque tem uma galera tão nerdiosa que eu nunca ouvi a voz deles, pra mim eles vivem pra programar. Tem o lance do chocolate quente que eu tomava todos os dias, apertava no botão "chocolate" e caía tudo no copinho e eu tomava feliz, até que um menino me falou pra eu tirar o copo depois de um certo tempo porque o final era água suja. É, eu tomava água suja. Mas pelo menos posso trabalhar de all star.
Tirando esse fato de eu viver no meio de nerds e eu ser burrona, tá tudo ok.

Agora a parte triste é a minha faculdade, aaaaaaaaai tem que ter muita paciência, meu pai amado. Só tem gente estranha e escrota, dá preguiça daquelas pessoas. Eu demorei 100 anos pra fazer amigos, e o que eu arranjei até que não tá ruim, elas vão pra casa de forró mas ok. 

Uma vez, a professora mandou todo mundo se apresentar, chega uma menina:

- Sou fulana, se quiser saber mais ME ADICIONA NO FACE.

Sério? Depois dessa, me deu vontade de largar a faculdade e virar hippie.

Tá meio difícil acostumar de novo com a rotina trabalho+faculdade. Semana passada começou a semana de prova e eu errei data de prova 2 vezes, isso não é muito bom. Me entrego ao cansaço toda vez que posso e quase não estou vivendo a vida de uma pessoa de 21 anos = sexodrogaseroncknroll divertida.
Tem a parte que agora eu tenho namorado, gente, eu tenho um namorado. A última vez que escrevi isso foi mil anos atrás no meu fotolog. Tá tudo okay, tô só esperando ele conhecer alguém mais bonita e legal que eu pra começar o meu azar em relacionamento, como sempre. Mas nem é legal falar disso, porque curtir com a minha própria cara não é tão engraçado.

Mencionei que cortei o cabelo? Foi a coisa mais revolucionária que já fiz na vida, tava sempre com aquele cabelo MACETA MANO, aí cortei. Ando com o cabelo todo em pé, mas tô feliz.



                                                                           OIE.







sábado, 13 de agosto de 2011

05h03

Oie!

No auge da minha alergia, resolvi escrever por aqui! É tanta novidade que nem sei por onde começar.

Deixa eu contar o dilema da minha vida pra vocês. Tudo começou quando a minha mãe resolveu ir morar no Rio de Janeiro enquanto eu estava na Holanda, muito tempo sem acreditar que ela iria mesmo, ela PAPUM FOI! Foi mesmo, de coração. Mas eu achava que tava cedo demais pra pensar onde iria morar etc. O tempo passou e eu vim pra Manaus com toda a certeza que iria morar no RJ. Sabe, aquela certeza? Pois é.

Ela mudou.

Só que como eu sempre procuro justificativas pra tomar uma decisão, aquele tipo de coisa "VIU, TIVE QUE FICAR POR CAUSA DISSO", mas nada surgia hahah tava tudo a mesma coisa e eu tava mudando de idéia a cada 5 minutos, era horrível! Queria ver a minha mãe e só tinha passagem de 2 mil reais, e eu não sabia se comprava só ida, ou ida e volta ou me jogava na rua e morria pra poder não tomar essa decisão. NO TEMPO entre toda essa confusão na minha mente, eu fui na faculdade pra ver como era a situação de voltar a estudar depois de ter trancado e tal, se ia ter meu período esse semestre, eu tava LOUCA pra ela responder: Não vai ter moça, só ano que vem. Mas na verdade, foi assim que aconteceu ó:

- Bom dia! Vim ver como funciona retorno.
- Ah! Claro, deixa eu ver aqui. Bom Rebeca, você trancou e tal e pode retornar quando quiser.
- Mas não tem meu período esse semestre, não é?
- Tem sim.
- Erh....e como faz pra se matricular? Ouvi dizer que tenho que preencher um requerimento e demora um tempo pra alguém me responder se posso voltar, certo?
- Não menina, você pode voltar agora já. Você pode assinar o contrato aqui nessa linha, por favor?
- Oi? contrato? como?
- É, de matrícula.
- Nãããão moça, eu nem vim com dinheiro pra pagar a matrícula.
- Nem precisa, alunos que estão retornando não precisam pagar a primeria mensalidade.

PUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU

- Ah...................deixa eu assinar aqui.

Eu assinei e saí de lá atordoada, "como FOI TÃO FÁCIL ASSIM?". Cheguei em casa e já tinha me arrependido de tudo. Marquei psicóloga, mãediná, consulta com os amigos, fiz teste na internet, pesquisei no google o que fazer, mas eu só conseguia chorar mesmo. Como eu decidi assim do nada? E como eu não vou morar com a minha mãe? PODE ARNALDO? Depois de um dia chorando sem parar, eu pensei direitinho. Consegui uma passagem linda pro Rio de Janeiro pra passar um tempão com a minha mãe e ver todo mundo, eu estava super feliz. Pensei em ir, ver como funciona por lá, ir atrás de emprego e quem sabe, ficar por lá mesmo. O tempo foi passando, fui colocando a cabeça no lugar e estava mais aliviada, tava tudo ok.

MENTIRA, TINHA QUE ACONTECER ALGO.

O meu celular toca 1 dia antes de eu viajar. (eu estava arrumando as malas)

- Rebeca? Aqui é da empresa X, você pode vir aqui pra uma entrevista?
- ERH..tá.

Fui pra entrevista na empresa dos meus sonhos, saí de lá e tinha certeza que tinha sido uma merda mas que tinha sido bom pra ver como eu tava indo nas entrevistas. Cheguei em casa, dei um cochilo ATÉ que me ligam da mesma empresa, mas era outra pessoa, pra conversar comigo e tal. Conversamos bastante e ela pediu pra que eu aguardasse o telefonema pra falar se fiquei ou não, depois de umas horas...

- Rebeca, você ficou!
- AHN? MESMO? Mas como te falei, viajo e só volto dia 9. Não vai ter problema?
- Não, a gente te espera.

PUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU

POR QUE DEUS?!

Fiquei mais atordoada ainda, viajei com a cabeça doidona demais. Quando cheguei no aeroporto do RJ, que eu vi a minha mãe e a Sarah, meu coração se enxeu de uma alegria que eu não sentia faaaz tempo, eu não estava acreditando que tava lá. Na primeira noite eu já chorei igual um cachorro velho, porque a dúvida martelou na minha cabeça de uma forma tão forte que quando eu ouvi a Sarah falando "bebeca, vem me fazer dormir", pensei "ai meu Deus". Quem me conhece desde sempre, sabe que sou louca pela minha irmã e morro pela minha mãe, eu tava no meu lugar, na minha casa, com quem eu vivi a vida toda, mas eu ainda não sabia o que fazer. Curti o que pude, vivi como se a minha mãe nunca fosse me perguntar a decisão que eu tomei, mas o dia sempre chega, NÃO É?
Pois é, voltei pra Manaus. Depois desses acontecimentos BEM ESTRANHOS antes de viajar, senti que tenho que ver qual vai ser, eu sei que Manaus não mudou uma palha desde que viajei, mas mesmo assim parece uma nova fase pra mim: Morar com meu pai, emprego novo e morar no SÃO JORGE AAEAEAE.
O meu pai ainda não comprou nada que eu goste pra comer, PAI, LÊ ISSO AQUI E VAI NO MERCADO PRA COMPRAR IOGURTE PRA MIM , POR FAVOR?

O meu coração tem um buraco imenso desde que voltei do RJ, nunca foi tão difícil pra mim. Masss são os desafios da vida, cada escolha uma renúncia etc e tal e todas essas frases de reflexão que vocês possam imaginar. Não vem falar que é fácil, que foi fácil, que a decisão que eu tomei foi errada, porque FOI DIFÍCIL DEMAIS, não estou maximizando a parada. Se nada der certo, se não for isso, a casa da minha mãe me espera no Rio de Janeiro com todas as portas abertas que eu sei.

Falando em outras coisas... desde que voltei pra Manaus, as coisas mais estranhas têm acontecido na minha vida. Lembro que fiz vários planos antes de chegar aqui e NADA absolutamente NADA que pensei, aconteceu. Aconteceu tudo ao contrário ou...........coisas estranhas mesmo. Pra nível de informação, eu tô odiando a faculdade, fiquei em uma sala com tanta gente estranha que sei lá viu? Só falam merda e são feios que dá dó. Certeza que os gays de psicologia são os mais estranhos da face da terra, e todos se acham os mais inteligentes da sala, É UM SACO. Seja gay (não tenho problemas com isso) mas não fique pensando que tem todas as doenças OU misture um monte de palavra difícil pra montar uma frase e falar nada com nada. É vergonhoso.

O galo aqui de casa morreu hoje de manhã, não tive nada a ver com isso e fiquei até mal.

Eu estou acordada porque fui inventar de arrumar meu quarto e durou até....agora, daí meu quarto ficou cheio de poeira e como tenho alergia, eu não consigo mais entrar lá! Espirrei tanto que meu sono foi embora.

Vou tentar dormir antes que meu pai abra a porta e pense que eu acabei de chegar em casa.

Alguém leu isso?

Beijocas!

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Oi bonitos.

Pois é, agora eu tô escrevendo aqui de Manaus, sentada na escrivaninha das minhas primas de 13 anos, porque agora é assim, vivo aqui na casa delas assistindo filmes dublados e até usando as roupas das coitadas, desculpa gente.
Um ano se passou e tive que voltar.

Por um momento no Schiphol eu pensei que não era pra eu voltar, já que meu host me falou que meu voo era 12h30 e chegamos lá 10h e demos conta que o voo era na verdade 10:10. Eu pensei : é, eu nunca mais vou voltar pra casa e vou ser Au Pair pra sempre. Gente, mas eu tenho sorte! Eu consegui pegar o avião, corri igual um cavalo de corrida e cheguei no portão suando igual um pedreiro, mas cheguei. Tomei 1 dramin e não consegui nem cochilar, assisti 3 filmes, joguei Tetris, fiz amizade, derrubei chá em mim, a mulher ao meu lado derrubou a pizza dela na minha calça. Quando eu cheguei em São Paulo já me deu um alívio, mas junto com esse sentimento veio uma coisa tão estranha...QUE BAGUNÇA ERA AQUELA? Uma fila gigante, todo mundo perdendo conexão, gente fazendo escândalo em todo lugar, português toda hora, um bando de otário conversando um monte de merda, eu já tava um pouco triste, fiquei mais arrasada quando cheguei com a mulher que pediu meu passaporte e não me deu NEM BOA NOITE. Eu falei e ela respondeu com um "AHN". Tipo, que merda! Como vai ser a Copa em 2014? Pra piorar minha mala foi extraviada. Peguei o voo pra Manaus e mais 4 horas sentada, eu tava igual um zumbi.
Cheguei na Manaós SUPER feliz e correndo pra encontrar todo mundo, pena que não tinha ninguém lá porque tava todo mundo no portão errado e eu fiquei com cara de "cri cri cri cri". Até que todo mundo apareceu e os abraços aconteceram, quando vi minha sobrinha quase chorei, meu pai, minha irmã, primas, PAPAI, VOVÓ e os amigos...ai que momento lindo, todas as mil horas dentro do avião valeram naquele momento, o ano todo valeu aquele momento.
Comi feijão até 4 horas da manhã na cia da melhores pessoas, não poderia ser melhor.
O que foi triste é que é muito estranho não ter visto a minha mãe a Sarah, acordo com o coração apertado todos os dias, e acho que é por causa disso.
Já vi quase todo mundo e a verdade é que nada mudou, quem é legal continua legal, quem é cuzão ainda tá cuzão, quem era bonito....erh....(erh.................), mesmos papos, as amigas continuam lindas e amigas do mesmo jeito, aquele meu medo da rejeição passou, AE!
O calor tá demais, não tem vento e quando eu leio alguém falando "nossa que fresquinho", assim, TÁ FALANDO SÉRIO? TÁ NEM VENTANDO MANO. Da onde eles tiram esse frio?!
Eu acordo 7h da manhã todos os dias, não sei raios o motivo, tenho a sensação que estou de férias e todo dia arrumo um pouco da minha mala pra ter o que fazer, tô sem carro e vivo de carona...o que é uma merda. Sinto que estou incomodando toda hora. Assumo que sinto saudades da minha bicicleta e dos trens.
AH, não sinto sono nunca. Todos perguntam sobre a minha depressão, e depois que fui ao cinema na segunda ela já deu as caras e hoje eu tenho certeza que ela tá instalada.

Dói.


quinta-feira, 23 de junho de 2011

Parece que foi ontem.


Que eu recebi o e-mail falando que a família tinha me escolhido e que liguei pro Felipe imediatamente pra falar, pra Rebecah que tava comendo temaki e respondeu "já te falei que não fico feliz com isso", que abri  a porta do quarto da Talita falando e ela deitada com aquele short florido, falou "ishi, e tu vai mesmo é?", que fui pro muiraquitã comemorar e tive uma noite feliz, que estava na cachaçaria chorando me despedindo de todo mundo, que horas antes de eu pegar o avião eu tava me cagando de medo de ficar longe dos meus pais por tanto tempo, que cheguei no aeroporto sem saber como cumprimentar meu host, que falava um inglês muito podre, que desci as escadas da casa que iria morar por 1 ano e vi aquelas 2 coisas loiras que eu iria cuidar, que namorei, que mudei de prioridades, que terminei, que tive minha primeira discussão por causa de 3 peixes idiotas, que fiz a minha primeira grande viagem, que conheci todos os meus amigos lindos da Holanda e todos os doidos que conheci em festas, pontos de ônibus , trens. Tirando os doidos, todos os amigos fizeram toda a diferença no meu ano, cada um de um canto, cada um de um jeito, cada um no seu ritmo. Recebi os amigos ricos em Amsterdam e me diverti BASTANTE e me deixaram com uma baita saudade depois, que pensei em desistir e voltar, que resolvi continuar até o fim, que não gostava de chá, que achava que Holanda era só drogas, que não conseguia comer doce de manhã, que era magra, que não conseguia planejar nada de viagem e nem se imaginava viajando sozinha. 

Hoje eu tô aqui escrevendo esse texto e posso falar que EU CONSEGUI! Falo mesmo que eu tô super orgulhosa de mim mesmo, eu nunca botei tanta fé em mim como botei nesse ano inteiro. Todo mundo me pergunta o que eu tô sentindo, como é voltar pra casa, como vai ser etc. A resposta é que eu NÃO SEI. Eu sinto tantas coisas, é a mistura mais sinistras de sentimentos que eu já tive na vida. 
Um mês atrás eu nem conseguia dormir de tão ansiosa, essa semana eu dormi feito um anjo porque tenho na cabeça que vai dar tudo certo. Diz que esse ano fora de casa muda as pessoas, eu não sei ao certo se eu mudei mesmo, só vou saber quando chegar no Brasil e dar de cara com a realidade de novo, meu maior medo mesmo é se eu vou me encaixar. Nesse momento, eu estou triste. Sinto saudades das crianças e já chorei, mas parei porque sou bicho homem. Já não estou mais dormindo no meu quarto, tô no quarto de hóspedes porque a nova Au Pair tá chegando amanhã. 
Eu sei que eu reclamei várias vezes nesse blog aqui, desabafei e tudo mais, mas como eu sei que tem meninas que ainda vão ser Au Pair lendo essa parada, eu RECOMENDO. É difícil, é de tirar a paciência as vezes, é de se perguntar que sua mãe não te criou pra isso, mas no fim você vê tudo isso com outros olhos e vê como valeu a pena cada minuto aqui. 
Sempre soube no fundo do meu coração que depois da Holanda a minha vida ia mudar totalmente, e eu nunca estive tão certa. As coisas realmente estão a um passo de mudar totalmente.

Bom, é isso. Eu vou escrever quando voltar (vou?).

Obrigada por todos os amigos que acompanharam isso aqui por todo esse ano e que sempre me ajudaram. Nem acredito que vou encontrar metade daqui uns dias. Meu voo sai amanhã meio dia e chego em Manaus 23h30.

Eu não tenho mais unha.


Beijos E ATÉ MAIS!

quarta-feira, 15 de junho de 2011

PINKPOP

Então, tem um festival aqui na Holanda super famoso, o nome é: Pinkpop.

Lembro bem quando ouvi falar e acordei cedo no 1o dia de venda pra comprar os ingressos, 3 dias de festival, acampar, dia tooooodo de música, eu tava super empolgada até meu host falar que eu só poderia ir no último dia porque teria que trabalhar nos 2 primeiros, fiquei meio triste mas nem tanto assim porque a banda que eu mais queria ver caíria no último dia. Comprei os ingressos em Março e esperei até então.
Trabalhei no Sábado e no outro dia meu host fala "você nem vai mais precisar trabalhar" a vontade foi de mandar esse merdafilhadaputa homem pagar meu outro ingresso pra ir no 2o dia também, mas nem dava! Minhas amigas estavam lá, dei a louca e fui haha! Comprei o ingresso lá na hora e me joguei, minhas últimas semanas de Europa, tem que aproveitar...certo?
Eu não tinha noção de quanta gente tinha naquele lugar e como rolava um festival gigantesco desse, é o máximo do máximo. Gente de todo o tipo, todo mundo de chapéu rosa, sentado no chão, 3 palcos, bandas de todos os lugares...é, eu tava feliz com a minha escolha. Nesse dia tocou Kings of Leon (um dos principais) a banda é bem boa, toca demais, mas assim como as outras bandas que também estavam nesse dia , eu senti falta de um jota quest feeling  comportamento mais simpático, sabe? Ele só aparecem no palco, cantam, as vezes falavam "HELLO HOLLAND", iam embora sem falar tchau. Cadê aquele lance de apresentar a banda, conversar, mandar fazer corinho e tal? Eu curto isso. Kings of Leon só foi lá e fez o que tinha que fazer, o show foi bom porque eles são bons, mas rolaria de boa uma simpatia né?
Enfim, minhas amigas estavam acampando MAS eu não né? Não comprei o ingresso que dava direito pra acampar, mas como toda desonesta brasileira, com uns 5 fiscais na porta do acampamento...PASSEI SEM NINGUÉM NOTAR AEAEAEAEAE! Família, vocês tem orgulho de mim?! hahah.
Acho que é porque eles sabem que todo holandês é honesto, então a fiscalização não é tão pesada. Poxa, mas tinha 2 brasileiras no festival HIHI.
Dormi não muito confortável, me cobri com uma toalha de mesa e com uma música rolando até 5h da manhã, todos dormiam, menos eu. O que importa é a experiência, certo?
ERA SEGUNDA, O GRAAAAAAAAANDE DIA! Gostava de quase todas as bandas que iam tocar, a mais esperada era Foo Fighters. Fui em todas as bandas que quis, pintei meu all star, conversei, cansei, ri, cantei. Eu precisava de uns beliscões pra acreditar que eu realmente estava lá.
Umas 2 horas antes do Foo Fighters entrar, fui pra fila junto com a Flávia pra ficar bem na frente igual uma fã doida, foi aí que senti o que é o desespero. Eu pensei que ia morrer esmagada, gente, sério! Eu tava com tanto medo que eu só fazia rir hahahahahah fui esmagada fácil fácil, mas consegui ficar bem na frente depois de mil horas em pé, ver gente fazendo xixi em copo descartável pra não perder o lugar AAAAH VISÃO DO INFERNO, nunca vou conseguir esquecer aquilo...
Foo Fighters superou todas as expectativas, a banda é super simpática e fez tudo o que nenhum outra banda fez: apresentou todos da banda, conversou com a gente e tocou mais do que devia ter tocado. 

Bandas que assisti: Kings of Leon, Wolfmother, Justin Nozuka, Eliza Dolittle, Cage the Elephant, The Script, Plain White T's, Foo Fighters, Kaiser Chiefs, Grafitti6, Two Door Cinema Club, Go Back to the Zoo.

Ai, foi tão bom ...queria volta no tempo pra curtir tudo de novo.

FOO FIGHTERS!

Kaiser Chief - DE BOA EIN

de graça HAHA

tchau branco

Kings of Leon


Sei lá, eu tô TÃO feliz!

Beijos.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Essa é a verdade.

Minha pasta de dente acabou e eu não tenho dinheiro pra comprar outra, tô roubando pasta de dente das crianças.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

treinamento pré - inferno

Eaí meu povo bonito do país tropical.

A verdade é que aqui não está muito diferente, tá um calor do cão! (reclamar do calor me lembra quando eu escrevia sobre isso todos os dias quando cheguei, quanto tempo..). Enfim, aqui chove 15 minutos e depois vem um calor infernal, não tem vento. Eu sei que só reclamo, mas eu não tenho ar-condicionado aqui, então imagina o meu drama. Todos os bichos que não via por meses resolveram aparecer ao mesmo tempo: sapos, lesmas, pernilongo e moscas dividem o mesmo espaço, que fica aqui no quintal. Não posso deixar de comentar que as crianças são apaixonadas por girinos e tem um pote de água gigante no quintal com váários, o tempo passa e eles viram SAPOS, não é mesmo? Eu acompanho a evolução todos os dias, antes eu acompanhava tomando café, porque antes os girinos ficavam em um vaso transparente no meio da mesa da cozinha.

"Olha família, trouxe um novo enfeite para a mesa, um vaso com girinos"

Fico feliz que mudaram para o quintal, a coisa chata é que o pote fica na direção da janela do meu quarto. Pense em alguém que NUNCA vai abrir essa janela. Eu falo todos os dias que vejo perninhas, que o rabo tá ficando menor "nossa, acho que já é quase um sapo ein" . POR QUE ELES NÃO JOGAM NO MATO MEU DEUS?!

Meu final de semana foi bem sensacional, fui em 4 cidades em 2 dias, coisas só possíveis na Holanda mesmo, esse país ovo haha. Eu não consigo considerar "viajei esse final de semana" quando é aqui por dentro, eu  não tinha conhecido as cidades mais turísticas do país, então fui em muita cidadezinha que acho que quando conhecer um holandes pelo Brasil e falar onde estive, ele vai soltar um: o que você foi fazer lá? É né, vai entender. 

Conheci Delft, Rotterdam, Breda e Utrecht.

Delft é uma cidade muito querida mesmo. Só é engraçado que nessa vida de turista, você já saca como funciona. Sair da estação, andar até o centro, vai ter um mercado, perto do mercado vai ter uma igreja importante, vai ter uma praça grande com prédios bonitinhos antigos e sendo na Holanda, vai ter canais. Sério, é assim mesmo que acontece. Eu pirei no mercado de Delft, só vende bugiganga e DAS BOAS! Fiquei 30 minutos decidindo o que comprar pro meu pai, movimentei todo mundo pra tirar a dúvida, quando decidi até bateram palmas. É, acho que tenho problemas de indecisão.
Depois fui pra Rotterdam, onde tem um dos maiores portos do mundo! A cidade é tipo NADA HOLANDESA, como foi quase toda destruída na época da guerra, ela é super nova, cheia de prédios altos, fontes etc. Me senti total em uma cidade grande, tá, é uma puta cidade grande...mas não considero nada na Holanda muito grande, então o sentimento foi novo. Depois do tour pela cidade, fui pra Breda com uns amigos, tava rolando um festival de jazz por lá super famoso, eu não tinha noção, mas FOI MUITO LEGAL! Eu nunca me diverti tanto. O mais impressionante é que assisti 1 cantora holandesa cantando em português e uma outra italiana, elas cantam fluente minha gente! A cantora holandesa cantava umas músicas bem...tipo....oi? Não fazia sentido, uma hora ela cantou uma que se chamava "Tabuleiro Verde", não vou escrever nenhum trecho, porque essa música está na minha cabeça desde sábado e eu não aguento mais, é bem idiota e chata. Dançamos, fizemos amizades, rimos rimos e rimos, voltamos pra casa de madrugada.
No domingo não ensolarado mas quente para caralho, fui visitar a Lu em Utrecht, uma amiga que costumava trabalhar comigo em Manaus, esse mundo dando essas voltas que eu adoro! Passeamos pela cidade, caí da bicicleta, conheci a casa dela, comemos, fofocamos. Eu AMEI o final de semana, mesmo a Luciana me chamando de "professor aloprado" e falando como a minha mão estava gordinha. 

Eu estava morta, mas quando cheguei na estação aqui de casa...quem estava me esperando? A BICICLETA. Pedalei quase 1 hora pra voltar pra casa, eu não sei porque ainda insisto nessa onda de pedalar, eu sempre me arrependo! Meu corpo inteiro dói. No caminho pra casa contei quantas lesmas eu vi, foi tipo umas 17 e uns 3 sapos, um deles pulou na minha bicicleta e eu fiquei em coma, eu olhava pra ele, a gente se olhava...até que ele deu um pulinho pela roda e foi embora pro mato de novo. 

FIU! Como diz o Bas. Gente, "FIU' quer dizer "UFA", é porque a minha kid sempre faz esse barulhinho quando fica aliviado por algo, aí acho tão fofo que só consigo falar isso agora.

Bom, queria compartilhar que falta pouco pra voltar pra casa, mas parece que falta muito! A minha paciência está se acabando e eu não aguento mais, não durmo direito porque fico pensando em mil coisas antes de dormir. É estranho esse sentimento, sinto falta da Holanda já e de tudo e todos os amigos que conquistei aqui, mas realmente sinto que é hora de voltar pra casa. Principalmente pelo fato de andar pela rua e encontrar conhecidos, abraçar e falar "vamos marcar algo" e você sabe que não vai marcar. Encontrando pessoas assim como costumava encontrar em Manaus NÃO é legal! Prefiro o sentimento de turista pra sempre.

Beijos!

quinta-feira, 26 de maio de 2011

a vida.

Vou escrever aqui a minha rotina diária, junto com todas as loucuras que acontecem comigo nessa vida de Au Pair.

O despertador toca 7h15 e eu aperto no soneca, toca de novo as 7h24, daí acordo, lavo o rosto e coloco o roupão quando estou com frio, quando tá quente eu vou só de pijama mesmo. Chego na cozinha e encontro a mãe terminando de comer pra ir ao trabalho, ela sempre solta um: ué, por que tá aqui tão cedo? Depois desse comentário eu comecei a aparecer umas 7h40, e ela falava: sempre atrasada né. Depois desse comentário voltei ao horário anterior e ela soltou o mesmo comentário que eu estava muito adiantada. Isso foi um exemplo da bipolaridade da minha hostmom. Faço o lanche das crianças, faço meu café e espero as pestes descerem as escadas gritando "BOM DIA REBEECA" e falando o que vai querer pra comer, as vezes rola coisas bem diretas, como :

- Pão com presunto.

As vezes rola:

- Quero pão com açucar e cereal por cima.

Aí demora uns 15 minutos pra eu achar engraçado, me estressar, mandar ele falar sério comigo e ele falar algo sério. Todos comem e eu fico com cara de bunda olhando pra cara deles, mandando calar a boca pra ver se come mais rápido, mando subir pra escovar os dentes, pegar meia e voltar pra calçar os sapatos. Pronto, esse é o meu trabalho da manhã. Tenho que acordar pra assistir dois meninos tomando café porque os pais querem dormir mais e eles podem cair do banco, bater a cabeça e morrer se eu não estiver lá ASSISTINDO. O pai desce e dá só um biquinho, ele não fala de manhã, humor meio tenso de manhã cedo.
Vão embora, coloco a louça na máquina e volto para o meu quarto pra fazer........nada. 
As 14h30 eu saio pra ir buscar as crianças na escola, mas aí eles sempre vão brincar com alguém e eu volto pra casa sozinha. Os pais chegam para fazer o jantar e eu nunca sei o que fazer, fico lá olhando pra eles, venho pro quarto..é uma dúvida constante, aí fico pra lá e pra cá.
Todos sentam na mesa e começam a conversar em holândes, e como eles reclamam que eu nunca falo nada. (POR QUE SERÁ NÉ) eles fazem uma pergunta idiota pra me envolver no momento, eu respondo e começo a falar um monte de merda só pra fazer um social, eles não me respondem e continuam falando em holândes. Por que pede pra eu falar então? Acaba o jantar, o menino vai pegar a sobremesa, comemos e acaba. Ajudo a limpar as louças e vazo pro meu quarto.

Pronto.

Mistura tudo isso com mais bipolaridades, criança mimada que fica puta porque nenhum amigo quer brincar as vezes, pai que pergunta todos os dias pra você "onde tá a chave do carro?" porque afinal, você dirige todos os dias. Mãe doida que não decide se é legal ou uma vaca chata todos os dias e JURO pra você que toda essa rotina não é fácil.

domingo, 22 de maio de 2011

um dia de insegurança.

Falta 1 mês e 1 DIA pra voltar e os sonhos estranhos começaram a surgir.

Eu sonhei que ninguém queria ser meu amigo, só queriam saber das novas amizades que fizeram enquanto eu estava aqui. Olha, isso é chato pra cacete! Eu sei que vim pra cá, a escolha foi minha, quem abriu mão fui eu etc e tal, mas eu queria que o tempo tivesse parado em Manaus pra quando eu voltar, estar tudo do mesmo jeito (oi, eu sou egoísta).
Engraçado que tem pessoas que eu era super próxima quando estava em Manaus e depois de um tempo aqui, nem sabia se estava vivo, um dia desses fiquei sabendo que a Cecília estava bem, fez até um Facebook.
Engraçado (2) é que eu me aproximei de umas pessoas que eu nunca pensei acrescentar na minha vida, vai ver porque esse lance de amigo virtual é mais legal, né?
Acho que são tipos diferentes de amizade, teve os que eu falei quase todos os dias enquanto estava aqui e outros que eu falei quando cheguei, no natal e agora pra avisar a minha data de chegada. Eu ainda amo vocês e entendo esse lance, vai ser aquela coisa de se encontrar e fluir a coisa, não vai parecer que ficamos 1 ano longe.
Me dói o coração ver a foto das festas e não saber quem é quem, meus amigos com pessoas que OI? Os questionamentos que faço : 

- Quem é esse?
- Mas não era esse que odiava o fulano?
- Mas ela não namorava o amigo dele?!
- MAS VOCÊS NÃO SE ODIAVAM PORRA?
- Ele não vivia falando mal de ti?
- Não é tua ex?
- Mas tu já voltou com ele de novo?


Olha, tem várias outras dúvidas que rondam a minha cabeça, mas vou esperar pra chegar e ver que onda é essa.
Eu sou muito ciumenta com essas coisas, não curto essa interação! Fiquei sabendo que o All Night mudou e que as pessoas passam frio por lá, nem sei se curti.
Mesmo com essa declaração ridícula que estou fazendo, eu entendo que a errada sou eu...porque o tempo passa, as coisas mudam, eu vivi aqui e vocês viveram aí, NORMAL. Só não queria que tivesse vivido muito assim hahahahaha. Vai ver é porque eu mudei, engordei e meu cabelo tá quase pegando no meu pé, eu tenho medo de ser rejeitada pela sociedade amazonense! A menina que os meus amigo me trocaram, no meu sonho parecia TÃO LEGAL, BONITA E ALTA que eu fiquei insegura. Eu não posso oferecer muito, as únicas coisas que aprendi por aqui:

1. Entendo holândes (VOCÊS DEVIAM ME AMAR POR ISSO).
2. Ganhei uma queimadura na mão, uma história/estória super interessante!
3. Conheço alguém de Pindamonhangaba.
4. Canto em karaokê sem vergonha
5. Ando muito bem de bicicleta.

Só lembro desses agora, mas veja como posso acrescentar na sua vida :(


ACHO QUE TÔ COM MUITAS SAUDADES DE CASA E ISSO TÁ ME AFETANDO

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Ah..


Grécia.


Ah gente, lembro que a primeira coisa que pensei quando pisei na Europa foi: eu vou pra Grécia. Era um sonho meu e eu não podia voltar pra Brasil sem ter ido lá!
Na verdade, quase não aconteceu porque a passagem tava muito cara e acabei bolando toda uma viagem de 1 semana pelas ilhas da Espanha, mas acabou que conheci outras 2 meninas que estavam indo pra Grécia na mesma semana, com o mesmo sonho e me falaram:

- Rebeca, quando você vai poder ir de novo?

Aí eu pensei direitinho e me joguei, doeu dar aquilo tudo na passagem, mas eu sabia que ia valer a pena. Joguei todo o plano da Espanha para o ar e bolei o da Grécia, que mais ou menos se resumia em: praias.
A verdade é que eu já tava cansada de andar que nem uma filha da puta e decidi que essa viagem na Grécia ia ser para RELAXAR e viver meu sonho. Até arrumar a mala deu prazer. Só chinelo, rasteirinha, vestidos E BIQUINE! S-O-N-H-O. Além da melhor parte: NÃO ERA RYANAIR. Eu pensava que só ia viajar decentemente quando voltasse pro Brasil, mas a vida é uma caixinha de surpresas mesmo ein. Tinha lugar marcado, ninguém teve que esperar em pé, despachar mala sem preocupações, comida sem pagar, vinho, cerveja, chocolate suíço, foi lindo.
Eu fui com a Lidiane no mesmo vôo e íamos encontrar a Ariadne horas depois em Atenas, chegamos em Atenas e fomos trocar as libras da Lidiane, pena que não eram libras e sim dinheiro da Malásia e ela só conseguiu 3 euros de tudo que ela deu HAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHA nunca vou esquecer desse momento. Pegamos o metro mais caro do mundo pra chegar no centro e que tristeza que deu, a verdade é que eu não curti Atenas, tudo sujo, povo chato e que não sei porque trabalha com público se nem olha pra nossa cara quando a gente pedia informação. Olhamos poucas coisas porque estávamos esperando a Ariadne e assim iria todo mundo junto. Como somos espertas, conseguimos um couch por lá , PENA que tava um pouco difícil de ligar pro cara, começou a escurecer, tudo começou a ficar estranho onde a gente tava, o único lugar que tinha escrito “INTERNET 24 HORAS” era na verdade um Casino disfarçado, resolvemos perguntar pra polícia onde poderíamos encontrar um albergue, eis que ele me fala:

- Até tem uns por aqui, mas fica na parte mais perigosa da cidade, acho melhor você procurar um hotel aqui por perto mesmo.

QUEBOM.

Até que a gente se ligou que era só mudar um troço no número do cara que conseguiríamos ligar, e deu tudo certo, tínhamos um lugar pra ficar – UFA!
Dormimos feito anjo e no outro dia fomos turistar, o que foi bem engraçado porque na cidade tem vários monumentos e não tem nome, então a gente meio que se perdia pelo mapa:

- Cara, será que isso é isso aqui?

Acabava que a gente já tinha visto umas coisas importantes e nem sabíamos, a coisa mais legal que tem por lá é a tal da Acrópoles. Gente, eu falo assim meio mal, mas na verdade é bem emocionante andar por aquelas paradas de mil anos atrás e todas aquelas histórias que a gente ouvia na escola faz sentido. Andamos, andamos, andamos e no final fomos provar a comida grega (a mais barata) que é o tal de Sovlaki, só de escrever isso já me deu enjôo, porque a gente comeu isso A VIAGEM INTEIRA, a gente pedia e sempre vinha um diferente, uns com batata frita, outros sem, outros com verduras, outros sem, SEI LÁ porque. Engraçado também é que sempre tinha alguém que falava português nas lojas, reconheciam de longe que éramos brasileiras. Galera inteligente, NE¿
Uma coisa bem engraçada em Atenas é que TEM CACHORRO PRA CACETE nas ruas, mas não são abandonados, eles tem coleira e tudo. O curioso é que sempre estão deitados dormindo, tipo SEMPRE. Eles ficam na frente das lojas ou nas esquinas, sempre na mesma posição (não, eles não estavam mortos) foi a coisa mais sensacional, nunca vi algo assim em qualquer outro país, todos gordos e com cara de preguiça.
Paramos na loja pra comprar nossa passagem pra Santorini, enquanto as meninas estavam comprando eu estava sentada na recepção sentada no sofá. Um casal passou e o homem perguntou pra onde a gente tava indo:

- Vamos pra Santorini.
- Ah, nós vamos no final de semana..você é da onde¿
- Brasil
- Nossa, mas você fala inglês tão bem. Você mora onde lá¿
- Manaus, Amazonas SABE A FLORESTA¿
- NOOOSSA, Manaus..que longe.
- Um pouco né..

Daí nessa hora eu tive que levantar pra ir pagar minha passagem e ele segurou o meu braço bem forte me fazendo sentar de novo e falou em português:

- Fica sentadinha aí e fica quieta.

OLHA, eu me caguei toda de medo essa hora. Eu acho que fiquei branca imediatamente e eu olhava pras meninas, tipo : ME SALVA SOCORRO. Ele me olhava nos olhos com cara de raiva e eu não tava entendendo NADA e falei:

- Você fala português...(voz trêmula de quando você ta se cagando de medo)

Aí ele começou a rir e eu comecei a rir junto pra ficar descontraída, sabe quando você ri junto com o ladrão¿ (não sei porque falei isso, porque eu nunca ri com ladrão algum na minha vida), aproveitei esse momento e me levantei com tudo correndo pra mesa com as meninas e me senti TÃO aliviada e ele ficou rindo, falou com a gente rindo e foi embora. Tipo, QUE PORRA FOI AQUELA?!
Depois da tensão, fomos andar por Atenas, provamos a cerveja grega e voltamos pra casa.
Acordamos cedo no outro dia pra pegar o ferry PRA SANTORINI, YAYY!
SÓ 8 HORAS pra chegar em Santorini, sabe quando você dorme e pensa que passou 2 horas, mas na verdade só passou 15 minutos¿ Pois é, sofri isso constantemente durante as 8 horas, o ferry é bem grande e tem tudo, principalmente atendentes de lanchonete super bem treinados para atender o público com educação. NOT.
Era tanto tédio que eu tava passando mal já, até que achei um joguinho no meu celular que fiquei tão viciada que não conseguia fazer nada a não ser jogar haha.
Depois de 8 horas (sensação de 24 horas) chegamos à tão esperada ilha dos sonhos: SANTORINI. No caminho já dava felicidade de ver aquele marzão mega azul e as casinhas brancas no topo da montanha.
Lidiane, Rebeca e Ariadne rindo a toa quando a porta do ferry abriu e veio aquele solzão na nossa cara avisando: VOCÊS ESTÃO AQUI GENTE!
Achamos o cara do nosso hotel e fomos embora, deixamos as mochilas no quarto e fomos no mercado comprar comida pro resto dos dias, compramos umas cervejas, PENA que todas estouraram e ninguém bebeu nada até hoje. Pegamos o ônibus e fomos pra praia, o nome é Perissa. Praia com areia e pedrinhas pretas, ai gente, nem sei falar a emoção que eu senti quando cheguei lá, eu tava TÃO feliz que nada podia me abalar naquele momento, até o fato da gente ficar esperando o ônibus que não tinha hora pra passar, no frio, eu ainda estava feliz. Voltamos pro hotel e dormimos porque no outro dia tínhamos um tour no vulcão às 10h30. Acordamos cedo, pegamos carona até Fira, mas pegamos o caminho errado pro porto E QUANDO achamos tinha 2837862782 burros no meio do caminho, e quem se arrisca a ser chutada por um burro, mano¿ Era uma escada SINISTRA pra chegar no porto, a gente conseguia ver o barco lá esperando pela gente e ao mesmo tempo o burro no meio do caminho. Pra quem não sabe, é tradição esses burros na Grécia, como é escada pra cacete , você pode pagar pro carinha e o burro te leva pra cima ou pra baixo, coitado deles, dá muita pena. Acabou que a gente perdeu o tour e fomos andar por Fira de novo e depois fomos pra outra praia (nossa vida tava difícil ein), o nome é Kamari, de longe a praia que eu mais gostei. O que era legal é que quase todas as praias que fomos, todas estavam bem vazias, poucas pessoas...então, era muito bom pra relaxar, torrar no sol, conversar e rir. Tipo, tava quente lá, mas ainda não é verão, então a água do mar era bem gelada e a gente não tinha cogitado a idéia de entrar, porque a gente nunca via ninguém na água. ATÉ que um carinha tomou coragem e foi, se ele foi, por que a gente não iria né¿

FOMOS.

Assim, tava bem gelada mesmo, mas tão gelada que depois de uns minutos você não sentia mais nem seu corpo hahahaha aí acostumava. Depois de tanto tempo sem fazer nada, voltamos para o hotel, nos arrumamos e fomos jantar fora, super pensando em sair depois. Pena que temos 20 e poucos anos, somos idosas e depois da salada grega resolvemos voltar pra casa dormir mesmo. Que tristeza.
Como a gente perdeu o tour, fomos falar com a mulher do hotel pra ver se rolava a gente fazer no dia seguinte sem ter que pagar, depois da Ariadne levar um super esporro e eu e Lidiane nos acabando de rir no sofá, ela disse que a gente podia fazer de novo sem pagar.
Dessa vez que já sabíamos o caminho certo, foi tudo bem rápido. Mesmo com todas as vezes que os burros corriam pra nossa direção na escada, a gente chegou no porto. Tava faltando acontecer algo de ruim, né¿ Eis que minutos antes de entrar no barco eu resolvo tirar uma foto, mas CADÊ A MÁQUINA? Enfim, perdi a minha máquina.

MAS DEUS ME AMA..

E resolvi voltar no banco que tinha sentado uns minutos antes e ela estava LÁ! Incrível.
Sentamos lindas no barco, chegamos no vulcão e cara, a gente não tinha noção da subida, é uma subida sem noção mesmo. Tinha que andar até o topo, porque o cara ia fazer toooooda a explicação da parada como rola, o guia é grego e o inglês não é o melhor, acabou que a gente não entendeu quase nada, a gente só entendia ele perguntando:

- ENTENDEU GENTE? MESMO?
- CLARO, COMO NÃO.

A sorte que ele era meio bonitinho e que existe Google pra procurar realmente o que se passou em Santorini. Descemos tudo de novo, Lidiane caiu como sempre, chegamos no barco e chegou a parte de nadar nas águas termais do vulcão! A gente sabia que tava gelada, mas eu e Ariadne somos fortes e fomos assim como um monte de gente. Foi bem legal e emocionante (tudo pra mim tava sendo emocionante, tipo, eu TAVA NA GRÉCIA). Saímos de lá e fomos pra outra ilha chamada Thirassia. O guia falou que era uma ótima ilha pra nadar e tal, é uma ilha que não é turística, então é bem vazia, já que Santorini é a mais famosa, essa ficou mais esquecida, mas foi a ilha que a gente parou e eu pensei:

CA – RA – LHO.

Dava pra ver tudo no fundo, água super cristalina, muito linda! Nadei, claro!
Passamos um tempão lá e depois o barco nos levava pra Oía, onde tem um dos mais bonitos por - do – sol. A merda foi que o mar tava agitadão e o barco balançou TANTO que eu comecei a passar mal, gente, balançou MUITO! Eu só queria que aquilo acabasse logo, até que finalmente chegamos e eu saí daquele pesadelo, depois de 2893678 minutos descansando e passando a tontura, subimos outra escada infernal pra chegar no topo da ilha, depois de burros, fotos, bosta de burro, famílias, japoneses tirando foto em cada degrau da escada, CHEGAMOS! O difícil foi achar o melhor lugar pra assistir, até que achamos um lugar bem alto e com uma ótima vista, pena que meu chinelo caiu e quando fui pegar, um residente viu, pensou que eu ia morrer, todos olhavam e eu só queria pegar meu chinelo, moço. Peguei o chinelo, assistimos o tão esperado por do sol e corremos pra pegar o último ônibus pro hotel, chegamos, tomamos banho e claro, dormimos porque é isso que idosos de 20 e poucos anos fazem.
No outro dia, fomos pra Fira de novo e depois pra Praia Vermelha, é uma praia que tem uma montanha vermelhona e mar azuuul, azuuul! Torramos, nadamos e voltamos pro hotel, pena que a gente já tinha feito o check out e não tinha como tomar banho, aí que surge garrafa de água por 20 cents, um lugar abandonado e o tão merecido banho. HAHA. Pegamos a ferry as 22h e mais 10 HORAS APENAS de volta pra Atenas, quem conseguiu pegar sofá se deu bem, quem tinha saco de dormir também, quem se ferrou (eu) não dormiu quase nada até chegar em Atenas. Cheguei, peguei o metro, corri pro aeroporto e voltei pra Holanda..

Deixa eu falar um negócio pra vocês, não existe essa onda de "NOSSA, O HOMEM GREGO". É uma cilada, bino! Eles não são bonitos!

É, a viagem que tudo correu bem, melhores companhias e que me deu a melhor sensação que já tive, de:

Sonho realizado.

Acrópole - Atenas

Perissa, Santorini

Thirassia, Santorini

P.S: Juro que tenho outras roupas além desse vestido verde.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Barcelona.

Barcelona nunca esteve na minha lista de "lugares para ir", mas ouvi tanta gente falando bem que resolvi me esforçar e ir.
O voô saía as 21h25 de uma cidade 45 minutos daqui, e o meu host só chegou aqui 18h30m. Eu tava desesperada, mas ao mesmo tempo tava tranquila caso perdesse o avião, porque iria entender que tinha sido um sinal, porque eu fui com pouquíssima grana. Acabou que ele me levou na estação de trem, peguei e cheguei em Eindhoven as 20h (o portão fechava as 20h55), peguei o ônibus e estava tudo lindo, até ele resolver quebrar no meio do caminho (segundo sinal), saí correndo na rua e achei um taxi, 2 outros caras também estavam indo pro aeroporto e pegamos o mesmo taxi, o que me faria um bem DANADO, de não pagar mil euros sozinha. Acabou que eu não tive que pagar nada, porque eles não aceitaram meu dinheiro e eu saí correndo e consegui pegar o avião, cheguei em Reus pra pegar o ônibus pra Barcelona.

Ao lado do ponto de ônibus tinha um carro com um som bem alto e estava tocando Carrapicho, acho que não preciso falar mais nada.

Cheguei em Barcelona 2 horas da manhã, o que não me deixou alegre, porque eu ouvi que é uma cidade super perigosa, principalmente se você anda sozinha (oi), eu comecei meio que me desesperar porque não tinha noção do que fazer, as instruções do lugar que eu ia ficar parecia grego. Ouvi umas americanas falando com um cara da estação que só falava casteliano e elas com uma cara de "?", fui lá ajudar na tradução e acabamos andando juntas pelo mesmo caminho, me senti mais segura. Trocamos telefone pra nos encontrar no dia seguinte e assim eu não ficaria sozinha, ufa. Depois de muito rodar, encontrei meu caminho e estava viva, UHU! Acordei cedo no outro dia e fui turistar, fui no Parc Guell (não lembro como escreve) e quando estava indo pra Sagrada Família a minha câmera fica sem bateria, aquela sorte de sempre! Liguei pras meninas e fui pra praia encontrar com elas. Essas meninas foram uma surpresa, eu nunca fui fã de americanos, todos que eu conheci eram tão idiotas, mas essas meninas me surpreenderam, até falei pra elas que nunca tinha conhecido um americano decente, mas que elas mudaram minha concepção. Fomos em um restaurante bem simpático para comermos uns Tapas, a verdade é que cada uma pediu uma parada diferente só pelos nomes engraçados. Eu pedi "PATATAS BRAVAS" e foi a melhor pedida da minha vida, muito muito muito bom! Como eu vivo cansada, fui pra casa dormir. No outro dia nos encontramos super cedo para turistarmos juntas, fomos em um outro parque lá (a verdade é que a Espanha só tem parque mano) e depois no centrão doido. Uma das meninas queria de todo o jeito achar uma loja de doces "Happy Pills" mas a gente não conseguia encontrar de jeito nenhum! Até que no Museu do Picasso, a gente achou uma mulher com a sacola da loja e fomos pedir pra ela onde ficava essa merda de loja, conseguimos a direção e depois de rodar igual barata tonta, ACHAMOS! 
A loja de doce é bem interessante, tem os doces e os potinhos de remédio pra você colocar dentro. Tipo uma drogaria, mas é doce, saca? Depois de quase 1 hora dentro dessa loja, porque tava lotada pra cacete, todos resolveram o que ia comprar. Pena que na hora de pagar eu fui atrás da minha carteira e não achei :)
É, roubaram a minha carteira. Só tinha simplesmente TODO o meu dinheiro, cartões, identidade. Nada de muito importante, certo? Eu olhei pras meninas e nem conseguia respirar, porque sabe quando passa tanta coisa na sua cabeça MENOS a saída para o problema? Pois é. 
O dia começou a ficar uma merda, começou a chover super forte e eu tava de chinelo e vestido, as meninas coitadas foram até a polícia comigo, me mandaram pra outro lugar super longe e mesmo assim elas andaram comigo, pra chegar na policia tinha que descer uma escada, como eu estava de chinelo e estava super molhado, eu escorreguei. Assim, não foi um "opa escorreguei" foi um ESCORREGÃO, eu bati com tudo na porra da escada, não conseguia nem sentir meu braço, muito menos minhas pernas. Veio uma galera perguntar se eu tava bem, as meninas correndo e eu parada, puta, indignada. Sentada eu estava, sentada eu fiquei, coloquei o braço que eu sentia na cabeça e pensei:

Tá, o que falta mais?

Depois da queda, meu braço todo fudido, cheguei com a policia mas me deram logo um fora, porque o tradutor não estava lá. (primeira coisa que vou fazer quando voltar pro Brasil: curso de espanhol). Mandei as meninas embora, porque eu só estraguei a tarde delas, elas me deram dinheiro, fizeram toda questão e eu voltei pra casa né, eu tava tão chateada que nem conseguia chorar. Alguém sabe como é isso?
Tava sem um puto, ninguém atendia minhas ligações, meu ticket de volta pra Reus estava na carteira, eu ia ter que gastar uma grana que já tinha gasto pra voltar. Tomei um banho quente e longo, e fui dar uma volta na praia, via todo mundo se divertindo e eu não conseguia nem sorrir. Eu não fico puta porque roubaram minha carteira sabe, eu consigo tudo de volta. Só que eu nunca tinha ficado em uma situação como essa, sem rumo, sem saber o que fazer, sem dinheiro, com medo de nunca conseguir falar com ninguém, só pensava em poder voltar pra casa. A host family infeliz não me atendia e nem respondia minhas mensagens, foi bem horrível essa sensação. Sorte que consegui ligar pra minha irmã e ela me deu uma luz.
Acabou que deu tudo certo e consegui dinheiro, no outro dia fui na policia de novo, conheci uma galera lá que tinha levado porrada, tinham roubado tudo, fiquei feliz que estava viva e nem tinha visto quem tinha me roubado, passei tempão na delegacia. Depois fui pra praia e andar pela cidade pra conhecer o que faltava, mas eu já tinha broxado totalmente, nada me animava mais e eu só pensava em voltar pra casa. Falando em praia, eu nunca vi tanto topless na minha vida, na verdade, eu nunca tinha presenciado um. Na moral, todo mundo faz! Até as velhinhas, acho que mais de 60 anos e estavam lá FAZENDO TOPLESS, MOÇADA! A gente tá perdendo tempo! Tirando as cenas de sexo que presenciei por lá também. A cidade parece uma micareta infinita, puxaram até o meu cabelo uma vez. Eu já tava tão irritada que teve uma vez que estava no metro e uma fileira inteira não parava de olhar pra mim, assim, BEM FIXO. Eu olhei pra minha roupa, me olhei no reflexo do celular pra ver se tinha algo errado e nem tinha nada, e a galera não parava, fiquei muito puta e dei aquele olhar de "EAÍ MANO, PERDEU ALGUMA COISA?", não me olharam mais.
Eu não duvido que Barcelona seja O LUGAR, porque a cidade é linda mesmo, tem muita coisa pra fazer, as coisas só meio que deram errado pra mim. Eu tava amando até essa merda toda acontecer, eu poderia ter ignorado o fato, mas na verdade eu nem consegui e nem cogitei ignorar. A verdade é que acho que já tô meio cansada dessa vida daqui, falta pouco pra voltar pra casa e eu nunca quis tanto isso. Ficar perto de quem eu gosto e de quem gosta de mim. É engraçado que foi a minha última viagem pela Europa, e eu já fui pra tanto lugar, que já aconteceu tanta coisa, mas nunca fiquei nessa situação, mas como diz a minha avó: ah bebeca, é pra marcar né!
Agora, olhando pelo lado bom da situação, fiquei muito feliz que conheci essas 3 meninas, acho que nada é por acaso nessa vida, elas salvaram a minha vida e eu nuuunca vou esquecer disso, já até sinto saudades. Fico tão feliz que tenho amigos tão bons, os que me ligaram pra saber como eu estava que se ofereceram pra ajudar a qualquer custo, no final de tudo isso eu fiquei mega feliz de saber que conquistei essas amizades. Não vou largar nunca de vocês! Elas sabem quem são!

FAMÍLIA, AMO VOCÊS!



segunda-feira, 18 de abril de 2011

você precisa de alguma coisa?

Eu não consigo levar a Bélgica a sério, porque é tão perto daqui ...que sempre penso que é uma extensão pobre da Holanda, mas sempre me surpreendo.

Dessa vez decidi ir pra Bruxelas, a cidade do TINTINNNN!

Lidia dormiu aqui em casa para irmos juntas no sábado pra Bruxelas, acordamos cedo, eu tomei banho, EU TOMEI BANHO E ATÉ LAVEI O CABELO de manhã, 06h45. É o fim dos tempos. O belbus bonito atrasou, perdemos o ônibus e conseqüentemente perdemos o trem pra Bélgica, só tivemos que esperar mais 1 hora na estação, tranKS. Depois de uma hora, pegamos o trem e foi tudo lindo, viajar de trem é muito legal, me amarro. Chegamos na estação de Bruxelas e tinha que achar a Ana, mas cadê que o celular funcionava? Ainda bem que a menina é esperta e ficou bem na central da Central de Bruxelas (haha que engraçado..não) e encontramos com ela sem ajuda da tecnologia. Só faltava encontrar o cara do couchsurfing, o nome do menino era : Tanguy. Eu só lembrava que ele era loiro, olhos azuis.

Nossa, que pessoa de beleza diferente.

Ele não atendia o celular, não recebia mensagem, todo mundo começou a ficar tenso em pensar no hotel que a gente reservou 30 euros a noite (ai dor). Tinha um cara na estação que parecia ele e começou a rolar maior suspense.. é ele? não? será? vai lá falar com ele! Depois de ficar seguindo o menino na estação e ele ficar com medo da gente, descobrimos que ele estava esperando os pais...que feio. Desencanamos e fomos andar pela cidade já, depois de 1 hora por aí, o TanGAI manda uma mensagem, que alívio, ein? Encontramos com o Tangai, deixamos a mochila na casa dele e partimos para o turismo. Fomos no museu de quadrinhos! RÁ!





A única coisa chata é que tudo tá em francês, e dessa língua eu não manjo. Muito muito muito legal ver como foi tudo criado, fui lááá na minha infância e voltei. O museu é bem grande e famoso, no caminho do museu tem umas estátuas gigantes dos personagens de quadrinhos da Bélgica, bem interessante. Você encontra paredes pintadas no centro da cidade com o personagem também. Bélgica é bem diferente da Holanda, a rua é suja, os muros pixados, é até legal ver essas paradas diferentes depois de um tempo que você convive com casas da mesma cor e nem um chiclete jogado no chão. Eu estava caindo de fome (oi novidade?) e o Tangai nos levou pra comer WAAAAAAFFLEEEEE com chocolate, gente, que vontade de chorar só de pensar que não tem isso no Brasil! Depois desse prato, achamos digno comer ESCARGOT. Normal, por que não? Vamos lá.

Tava tudo bem. NÃO.
Vimos o menino que faz xixi sem parar e fomos andar pra Grand Place, que é onde tem os prédios famosos de Bruxelas, com as estátuas que apontam uma pra outra, achei genial! Estávamos lá conversando de boa, todo mundo falando português, porque o Tangai também sabe falar português (que língua aquele menino não fala mano), quando 2 caras param do nada e perguntam em português meio da Angola:

- Brasileira?
- Sim (simpática e sorrindo)
- Você conhece a favela?
- Erh...sei. (tensa)
- Você tá precisando de algo?
- Não menino, obrigada. (poxa, que galera generosa né)
- Eu não vou fazer nada com você, mas você tá precisando de alguma coisa?
- Erh..tudo bem, mas não tô precisando de nada.
- Mas você já foi na favela?
- Graças a Deus não..MAS POR QUE?!
- Você tá precisando de algo?
- NÃO!
- Nem da branca?
- Como?
- BRANCA..
- NÃO, SAI DAÍ!

Enfim, depois de sacar que não era farinha branca que ele tava tentando me oferecer e nem ajuda, eu fiquei meio triste. Essa é a fama do brasileiro na Bélgica? Porque assim que respondi que era do Brasil, ele começou o papo estranho. Fiquei com raiva também, porque só eu respondia e o resto do povo com cara de interrogação do meu lado, e o belga não entendendo nada também, ah..não curti isso, me senti mal. Mas ok, depois desse momento tenso a gente foi curtir a beleza.




Olha que legal, dá pra dividir um pouco da beleza com vocês :) Perceba o TanGAI se apresentando, falando o nome dele, eu sempre pensei que fosse TanGAI.
Depois desse momento bonito, fomos ao que interessa: PATATASFRITASDABÉLGICA!



Só que tem toda uma parada pra pedir a batata frita, o belga nos levou em um dos lugares mais famosos, e falou : olha, pede o tamanho da batata E depois avisa o molho que quer, depois disso você fala o refrigerante, porque se você falar tudo de uma vez o cara fica com raiva e te trata mal.

Oi?

A dúvida é a seguinte: ele não consegue pensar rápido? Se falar tudo de uma vez, ele tem um treco e morre? Jamais peça batata frita tamanho MÉDIO, sempre ou pequeno ou grande. Pessoa indecisas, vocês não podem ir nesse lugar. Vale muito a pena, essa batata é genial. Muito boa mesmo!
Enquanto todos estavam comendo a batata, começamos a conversar sobre a vida e eu falando sobre o meu dilema de parecer indiana, todos rindo, comentando, mudamos o assunto pra futebol ou sei lá, quando chega um menino que tava jogando futebol com os amigos na praça, para na minha frente e pergunta em português:

- Indiana falando português?

Enquanto todos riam desse momento hilário, eu só fiquei com cara de "queria poder matar crianças".
Isso não tá mais sendo engraçado.
Depois das batatas, fomos andar pela cidade até chegar na área universitária que é onde tem uns barzinhos legais. Olha, não tem pra ninguém, a cerveja belga é TUDO DE BOM NESSE MUNDO. Eu provei uma de pêssego que CARAMBOLAS, muito nhami. Fico com vontade de chorar também, porque não vou ter isso quando voltar pro Brasil, a minha vida aqui tá se resumindo em despedidas, fico triste até porque não sei quando vou ver a mulher do supermercado de novo.

com azzmiga no bar

É, a gente tava cansada mesmo.

Fomos pra casa, perdemos o bus, teve que rolar uma cooperação pro táxi, colocaram a culpa do azar em mim, mas Bruxelas está no meu coração, gostei muito e recomendo pra você querido turista. Recomendo o meu couch também, um queridão, a mãe dele também foi uma querida! Todo mundo tomou café junto no outro dia, vimos fotos de família, parecia nosso amigo de anos..hahah.

Beijos.




azamiga visita.

Olha, só vindo pra Europa pra saber os amigos ricos que tenho. Aqueles que fazem mochilão por 3 meses, 15 dias ou que vem só pra passar 5 dias no velho mundo. Engraçado, que em Manaus era todo mundo pobre e ninguém podia pagar uma coca-cola pra amiga aqui haha mas ok.

A Raissa veio pra cá dia 8 de abril (eu sei, faz tempo e demorei pra escrever), tudo estava indo bem até chegarmos no ponto de ônibus, ela reclamar que estava com fome e eu lembrar que tinha um biscoito MUITO BOM dentro da minha mochila e doar para minha amiguinha, pena que ela abriu o pacote errado e o biscoito mais gostoso do mundo caiu no chão (aquele chão que não dá só pra soprar) e ficamos sem o biscoito. Depois de nos perder em Best pra achar a casa da Lidia, dormimos bem e acordamos cedo pra pegar o trem pra Amsterdam, uma pena tudo estar em obras e o trem que ia ser direto, acabou se tornando "parar e trocar de trem umas 3 vezes em cidades que eu nunca vi na vida", mas foi até legal que deu pra conhecer várias estações de trem diferentes (?). Demos sorte, porque o clima estava divino e super sol, pena que não tínhamos um mapa e rolou ficar perdida, mas tem coisa mais legal que se perder em Amsterdam? Não! É tudo tão lindo, cheio de bicicletas, turistas, filas etc..que a gente nem fica com raiva. 
Fomos na casa da Anne Frank, coisa que eu recomendo muito! Mesmo se tiver uma fila meio longa, fica lá e espera porque é legal. Tem guia em português e é tudo tão real sabe, dá até um frio na barriga e vontade de ir pra Polônia, coisa que acho que não vai dar pra fazer, mas deixa isso pra outra hora. Depois de momentos de tensão no anexo secreto, querer voltar pra casa, agradecer a Deus que eu nasci tempos depois da guerra, fomos procurar a Heineken Experience.

1 MINUTO DE SILÊNCIO PRA ANNE.

Eu acho sacanagem quem tira foto sorrindo, a história NÃO É LEGAL OK.
Pra tirar essa foto foi engraçado, porque a gente tava tentando tirar foto na frente do museu da Anne,e tava meio feio porque não tinha o nome dela escrito pra gente provar que esteve lá, até que um holândes passou de bike e falou assim "a casa dela fica ao lado do musesu" RÁ! A gente riu que se acabou da nossa burrice.
Pergunta ali, acolá, Raissa treinando o inglês dela, achamos o tal lugar da Heineken, o que não foi difícil de ver, porque é bem verde e várias estrelas blablabla. Pra chegar lá, a gente teve que pegar um tram e o carinha do tram deu uma revistinha com umas informações turísticas, eu tava com a revistinha na mão lendo enquanto estávamos esperando a nossa vez pra entrar no museu, quando vejo QUE no final da revista tem vários cupons de desconto HA HA HA HA que achado minha gente, conseguimos um desconto legal no museu. Eu nunca acreditava quando as pessoas falavam "cara, você já foi na Heineken Experience? Porque é muuuuito legal", então, é legal que só mesmo! É imenso e várias explicações modernas sobre como a cerveja é feita, simuladores, cavalos gigantes E direito a 3 copos de cerveja grandeS no final, você sai feliz de lá de qualquer jeito. Oi?



Eu e a Rah somos tão retardadas que a gente fez vários filmes lá dentro nas maquininhas, dançamos e cantamos holandês ...como é legal passar vergonha em lugares que ninguém te conhece. Enfim, eu recomendo esses lugares, acho bem imperdível pra você querido turista.
Depois ficamos andando por Amsterdam, ficamos com fome e eu apresentei a melhor refeição do dia: promoção de 1,95 do Burguer King, porque é simplesmente fascinante o fato do sanduiche + batata frita + refrigerante SÓ CUSTAR 1,95. Demorou pra convencer a Raissa que ela não iria engordar 5kg com essa refeição, mas consegui. Sentamos na mesinha do Burguer King e lá estávamos comendo e fazendo nossos planos pra noite, quando vejo algo andando pelo chão, assim, pensei que fosse uma barata e fiquei até meio emocionada porque nunca vi barata aqui na Holanda, daí ignorei, mas me chamou atenção de novo e fui ver o que era de fato, ERA UM RATO! Respirei fundo para avisar a Raissa sem que ela tivesse um treco e desmaiasse e colocasse a culpa em mim por ter levado a coitada lá pra comer.

- Rebeca, que cara é essa?
- É que Raissa..
- O que menina?
- Eu acho, NÃO SEI EIN, que vi um rato ali perto do lixeiro.
- MENINA, eu vi algo também mas pensei que fosse uma barata.
- Ok, é um rato mesmo e ele tá andando agora...pelo salão inteiro....

Quando eu vejo um rato saindo DEBAIXO DA NOSSA MESA, ou seja, dois ratos estavam passeando pelo salão. Raissa louca tendo trecos e eu sem me mover, ela vai e chama o cara do burguer king que estava limpando (oi?) o salão, mas acho que ele esqueceu de tirar o rato..porque né.

- MOÇO MOÇO MOÇO TEM RATO AQUI
- Welcome to Amsterdam, darling! =)

Pronto, foi essa a explicação que a gente recebeu do conceituado-cara-do-caixa-do-burguer-king-da-estação. Portanto, não coma na estação! Pegamos nosso lanche e fomos comer em outro canto (sei lá, a gente achou que a comida não tinha muito a ver com isso). Fomos então encontrar o cara do couchsurfing, pela primeira vez consegui chegar na casa de alguém sem me perder, fiquei orgulhosa. O nome dele é Adrian, e super, super gente fina. Ele mostrou pra gente os clipes musicais dele, porque sabe né, ele é um raPPER! SE LIGA! haha trocamos várias idéias, só ficou chato quando a gente descobriu que ele entendia português, sei lá como, mas ele entendia tudo. Ele nos convidou pra ir em um barzinho lá que ia encontrar um amigo dele, fomos e tal, mas tava meio "festa estranha com gente esquisita" e eu tinha que mostrar a crazy night de Amsterdam pra minha amiga linda né, nos despedimos e fomos pra um outro lugar que uma amiga minha indicou, o tal lugar se chama "PIRATES", entramos e fomos guardar nossos casacos. Fomos procurar um lugar pra sentar, pra poder sentir a vibe do lugar que já estava negativa pelo fato da cerveja ser cara e que os carinhas do bar não eram tão bonitos quanto a Anna tinha falado, aquela mentirosa! Aceitamos o fato de que só tinha aquela opção, porque já estava ficando tarde e ficamos por lá mesmo, sentadas e admirando a galera bonita holandesa dançando DAQUELE jeito que só quem não sabe dançar, dança.

ATÉ QUE

Entrou um grupo de amigos, e um deles era assim...aquele genro que a sua mãe pediu a Deus quando você nasceu. Eu olhei pra Raissa, ela me olhou e a gente soltou um :

- Puta que pariu.

Tem certos palavrões que expressam tudo nessa vida.
Depois de 5 minutos da chegada desse grupo de amigos felizes que ficou bem ao nosso lado, começou a tocar aquela música bem chata "I JUST CAME TO SAY HELLO!" e foi quando o cara do puta que pariu, chegou e falou:

- Hello.

Esse vai ser o final da história para vocês.

Bom, fomos pra casa depois de uma noite muito legal, acho que é até sacanagem escrever "noite legal" foi uma noite SENSACIONAL, bodamos e acordamos super cedo no outro dia pra ir no parque das flores, até tirar o gato do banheiro, finalmente conseguir tomar banho, pegar trem e blablabla, chegamos no parque. É uma coisa inexplicável, é muito bonito MESMO, nunca imaginei coisa igual, só rola na primavera e só tem aqui na Holanda. Vou deixar o link das fotos, pra vocês sacarem do que eu estou falando.

http://www.facebook.com/album.php?fbid=1879311135410&id=1020226262&aid=104973&l=5d38739cc6


Depois de um final de semana lindo, a Raissa veio comigo pra casa e viveu "Um dia de Au Pair". Andou de bike, cuidou de menino, até carregou uma caixa cheio de girino pensando que era bolo, fomos pra Maastricht e a Raissa aprendeu a enviar cartão postal. É muito engraçado, ela é minha melhor amiga e é de partir o coração o fato que eu não faço idéia quando vou encontrá-la novamente, já que ela mora em Portugal e eu volto pro Brasil em 2 meses, mas ao mesmo tempo é muito bom saber que não adianta a distância, a nossa amizade não muda mesmo! Quando a gente se encontra, parece que nos vimos no dia anterior. Engraçado também é que a gente relembrou de vários momentos da nossa vida, e que nunca passou pela nossa cabeça que estaríamos na Europa juntas. 

AMO MUITO!

Adorei ser turista, porque o fato de eu morar aqui me faz pensar que todos os dias os pontos turísticos estarão lá me esperando, então sempre deixava pra depois haha! Já posso riscar da minha listinha.

Obs: Gente, peço a compreensão de vocês caso encontre vários erros de português no texto, eu ando escrevendo meio errado mesmo..sei lá porque, juro que não sou burra assim. Tive até que procurar no google como escrevia "puta que pariu" porque eu fico na dúvida sem termina com L ou U, e  família, desculpa por ter escrito esse nome feio, mas foi só dessa vez, desculpa desculpa.

Beeeijos!

quinta-feira, 7 de abril de 2011

salve o orkut

Uma amiga disse que leu isso e pensou em mim, eu amei o texto e fiz uns comentários meus.




Morar Fora

"Não é apenas aprender uma nova língua. 

Não é apenas caminhar por ruas diferentes ou conhecer pessoas e culturas diversificadas.
Não é apenas o valor do dinheiro que muda.
Não é apenas trabalhar em algo que você nunca faria no seu pais.
Não é apenas conquistar um diploma ou fazer um curso diferente.
Morar fora não é só fazer amigos novos e colecionar fotos diferentes.
Não é apenas ter horarios malucos e ver sua rotina se transformar diariamente.
Não é apenas aprender a se virar, lavar, passar, cozinhar.
Não é apenas comer comidas diferentes. 



É, eu tentei aprender holandês, mas quando me dei conta que não conseguia nem falar "Bom dia" eu desisti de todo o resto, eu entendo bastante, mas não consigo pronunciar, é MUITO tenso. Eu vim pra melhorar o inglês mesmo e fiz um curso doido, na minha classe só tinha 3a idade, mas com certeza não poderia ter sido melhor, pessoas queridas que vou sempre lembrar. Quando cheguei, transformava tudo que comprava em REAL e ficava na depressão, hoje em dia nem lembro mais dessa moeda.
Eu era estagiária em uma empresa de Recursos Humanos, trabalhava na frente de um computador, atendia telefone de 5 em 5 minutos, tinha faculdade toda noite e assim era a minha vida, hoje sou Au Pair, trabalho e moro com meus "chefes", limpo bunda de criança, brinco de futebol, assisto Dora, Bob Esponja tudo em holandês (e ainda acho engraçado), faço artes do cara da Discovery Kids e falo "nossa, acabei de criar". Eu que compro meus shampoooos, cremes, perfumes e faço toda a parte estética no meu rosto (uma vez arranquei toda a pele do meu buço) que tá uma cagada, só Deus sabe o quanto quero voltar pro Brasil e ir ao salão. Jogo todas as minhas roupas na máquina e se der merda a culpa vai ser minha, só minha. Ano passado, coloquei uma camiseta rosa e ela saiu azul (3 camisetas). Eu sou preguiçosa, como pão sempre e nunca cozinhei. Quando cheguei, comi todas as comidas diferentes e ganhei 8kg, ainda continuo comendo porque EU GOSTEI DE TODAS. 
Os amigos que eu fiz aqui, eu digo que se não for pra sempre, vão ficar marcados pra sempre.
É muito gostoso fazer amigos todos os dias, conversar com pessoas diferentes todos os dias ou viagens, várias histórias interessantes, triste é não ter noção quando vai encontra-las novamente.


Não é apenas não ter que dar satisfações e ser dono do seu nariz. 
Não é apenas amar o novo, as mudanças e tambem sentir saudades de pessoas queridas e algumas coisas do seu país.
Não é apenas a distância.
Não são apenas as novidades. 
Não é apenas uma nova vista ao abrir a janela. 



Eu trabalho desde sempre na minha vida (ai os tempos de roça..) então mesmo que ganhasse pouco, nunca fui de pedir dinheiro pra minha mãe, pagava minhas contas e faculdade, mas morava no mesmo teto que o dela, então ela que mandava em mim. Cheguei aqui e como todo mundo sabe, se acostumar com coisa boa é SUPER fácil, mas foi meio difícil no começo pelo fato que cada situação escrota que eu passava eu queria ligar pra minha mãe pra pedir orientação, mas ligar é caro, eu sou pobre, ENTÃO é mais fácil resolver a parada sozinha, e desde então tem funcionado. Sair na sexta e voltar no domingo e não ter que falar o que fez, com quem, onde dormiu, quem te deu carona, comeu o que, bebeu ou não ..é sensacional. Mas não ter alguém pra abrir a porta do seu quarto e falar um "Boa noite bequinha", tomar café junto, ouvir sua irmã falando uma palavra nova, ligar para os amigos pra saber o que vai rolar de noite, conhecer as pessoas e poder ABRAÇAR ao invés de dar apertos de mão, telefonemas diários do seu pai.. é um tanto tenso, mas infelizmente/felizmente você se acostuma.

Morar fora é se conhecer muito mais. 


MUITO mais. (você acha que se conhece, mas não sabe da metade)

É amadurecer e ver um mundo de possibilidades a sua frente
É ver que é possivel sim, fazer tudo aquilo que você sempre sonhou e que parecia tão surreal.
É perceber que o mundo está na sua cara e você pode sim, conhece-lo inteiro. 



Eu sempre fui de imaginar muitas coisas, sabe aquela música do Cidade Negra "pensamento"? Tem uma parte "Eu ganho o mundo sem sair do lugar", é a minha cara! Eu super me imaginava andando nas ruas da Europa com uma mochila nas costas, mas sempre achava a coisa mais impossível do universo! Quando eu resolvi agir e fazer as coisas acontecerem a coisa fluiu! Agora eu estou aqui, sentada na minha escrivaninha (?) no meu quarto na Holanda. Juro pra vocês que sinto que posso dominar o mundo amanhã. Me pego de bobeira olhando as fotos das minhas viagens e não consigo acreditar que já fui em tantos lugares, vivi um tanto de experiência, aprendi um tanto de coisa. E que não hesito em pegar meu guia, abri na página do país que eu quero ir e falar: Eu vou.


É ver seus objetivos mudarem. 
É mudar de idéia.
É colocar em prática.


Eu queria ser mochileira e morar cada mês em um lugar diferente, mas já estou aprendendo a ser mais realista, NÃO SE PREOCUPEM! Como eu vi que não sou uma loser como costumava pensar, meu objetivo é: estudar que nem um cavalo, estudar mais e ir morar em Londres. (não vale rir).


É colocar em prática.


Inglês eu já consigo falar, 3 anos de faculdade : TÔ CHEGANDO!


É ter que mudar sua cabeça todos os dias.
É deixar de lado as coisas pequenas.
É saber tampar o seu ouvido.
É se valorizar. 



Quem nunca pensou em desistir depois de 1 mês comendo pão no almoço e aturando europeu que jogue a primeira pedra. Quem nunca ouviu merda de host family e correu pro quarto e ficou na merda que jogue a primeira pedra. Quem já ouviu merda de host family e 5 segundos depois nem lembrava mais o que tinha ouvido porque você é melhor que isso, VIBRE.  Com certeza, as 4 coisas mais importantes que eu aprendi aqui e que vão me servir pra todos os setores da minha vida.


É ver sua mente se abrir muito mais, em todos os momentos.
É se ver aberto para a vida.
É não ter medo de arriscar. 



Minha mente se abre todo dia, toda hora, isso é MUITO verdade. Vim cheia de preconceito com muita coisa e falo com todo coração, vou voltar sem nenhum. 


É colocar toda a sua fé em prática.
É ter fé.
É aceitar desafios constantes.



É ter fé todos os dias, que tudo que você tá passando VAI VALER A PENA. Nada é em vão, e nada vem fácil. Já ficar pensando no próximo intercâmbio e super animada.


É querer voltar e não conseguir se imaginar no mesmo lugar.


É colocar a cabeça no travesseiro e sorrir porque só falta 2 meses e uns dias pra você voltar pra casa, abraçar toda a sua família e dormir na sua cama, mas ao mesmo tempo pensar que muita coisa mudou em 1 ano, inclusive você.


Morar em outros país é se surpreender com você mesma."




...